Sexta-feira, 11 de Maio de 2012

Ficastes

 

Ficastes

 

Questionas-me de viver?

Nada sei, e tb não sei,

mas sei que a eternidade é aqui...

São teus todos os movimentos e teus:

ser ou não ser...

Tuas formas, como caminhas

olhas, dizes, conjugas.

Tudo que fazes,

e o que não fazes.

Quando estás, e não estás,

Isto tudo te pertence,

como os céus aos pássaros

E nada sei, e,  ou fazer

se estás pespegada em tudo..

Em meu espelho

na varanda, onde sou

apenas tua  sombra

e  a saudade

que Tb inventastes.

Fostes. Mas ficastes

em todos os lugares,

eternamente...

 

João Costa Filho


publicado por jpcfilho às 19:11
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Abril de 2012

Quase ontem

 

 

'Amour' de Claude Theberge

 

 

Tudo bem,

façamos de nossas

carências o grande mote

e  distâncias encurtemos

na volta ao passado

e quimeras,

nossos antigamentes,

quando moços  um dia...

Estás solita,

e eu tão sozinho

e nos agarramos

aos naufrágios de ontem

quando na verdade

revirávamos o amor o desamor

o sexo o amplexo,

com tanta competência

que hoje rio 

dos novos folhetins.

Aí menina, fomos os maiorais!

tanto amor, tanta dor..

E nem por isso

foi menor...

Foi físico, poderoso

angelical, cruel,

foi literário

veio das almas

como as assombrações

necessárias

aos grandes amantes....

 

João Costa Filho

 

 


publicado por jpcfilho às 17:30
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Setembro de 2011

Denúncia


'Tender kiss' de Silva
                                                           "Tender kiss"  de Silva


Não tenho mais dúvidas.
Amanhã vou à delegacia do Homem
e vou mostrar

minha alma em frangalhos

meu corpo
flagelado e abatido
por teus beijos

tuas juras
e com tuas
impressões digitais.


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 18:34
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|

ADEUS, AMIGO


'Solitude' de Escha Van Den Bogerd
                                           "Solitude"  de Escha Van Den Bogerd


A prece separou-se do vento
E lírios brancos são arrancados
Para mortalhas de brisas de ontem
E prenúncio de calmaria eterna
Ontem tudo vida
Hoje tudo nada
O caos ficou na lacuna
Onde só tua presença preencheria
Mas partiste para o vácuo infinito
E um vazio tu deixaste
Adeus, Amigo.

Adeus!
E que lá para onde tu fores
A terra te seja leve
Os anjos te joguem flores
E sejas feliz no abstrato...


Homenagem ao meu Amigo Armando Segadilha Filho


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 13:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 16 de Junho de 2011

...

Era uma vez, o rio

 

O céu chupou o rio

o rio subiu ao céu

sem escada, sem escala

e o rio choveu

para minha vidraça

para o menino

que corre doido

atrás da menina doidinha

para a planta grave

cai a chuva no zinco

e sobe o rio

contra a correnteza

voa lépido sem asas

faz o ciclo

cai o rio, no rio

que cantava

hoje geme

e carrega o homem navio

o  homem vazio

que bebe o rio

que já foi livre

mas mata a sede da planta

mata a sede da terra

mata a sede do homem

que o mata.


publicado por jpcfilho às 17:22
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

Bendito fruto

Bendito fruto  

 

Eu, gnóstico, incrédulo, pragmático

aos poucos me convertendo

nos mistérios

às cousas que pouco sabia

e  onde ainda me perco.

Se uma dúvida se estabelece,

sempre que estou com ela.

Retorno-me  menino e crente,

assim tão derrepente

como o absurdo,

Que forja enlevos, encantos

E  sentimentos sobrenaturais

além de minha circunspecção...

Quando ela me toca, me abraça,

saro de todos os pecados  do mundo,

e fico pacientemente pecando com ela,

coisas de perdição,

alheio ao tempo, a idade,

apenas pecamos divinamente,

na certeza de paraíso.

Só as horas não obedecem

ao ritual do amor de luxúria

e as travessuras mil

de dois corpos loucos

de desejo, perdição e devaneios,

que se comunicam eletricamente, apenas.

de murmúrios que dizem tudo

dizem que a eternidade é ali

e ali também é  a síntese da vida

no seu apogeu

Corpo a corpo, corpo e alma fundem-se

Em metáforas de aleluia

senhas, sendas

fendas, seios,sei?

não sei,

Sei apenas que estou rezando:

que és o bendito fruto entre as mulheres

Amém...

João Costa Filho07/11/2010

 

 


publicado por jpcfilho às 21:44
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2010

...

 

 

 

 

 

A dor

 

Sem auto-piedade amigo

sem comiserações se puderes

pois se tua dor é só tua

tão tua

que melhor seria contá-las às flores,

ou as estrelas

chorá-las nas montanhas,

ou dizê-las aos pássaros,

que  levarão para bem distante

teus lamentos...

Se desabafares aos amigos,

correrás riscos de os enfadares

ou os terás solidários

por ínfimos instantes...

Tua dor é só tua,

Porém, se tiveres um grande amor

daqueles cinematográficos...

Aí sim! Desabafa todas as tuas angústias,

mágoas e desgraças,

que ela chorará contigo solidária

e dividirá tuas infelicidades

e se mutilará por teu sofrimento até o cair do pano...

Por isso repito que tua dor é só tua

e não tentes injetá-la em ninguém mais

pois ela é intransmissível

 os outros têm medo da contaminação e do enfado

 assim ficarás ainda mais solitário

com Ela, Tua, e inseparável: Dor

Ela é só Tua, não a dividas, pois  ainda mais lamentarás...

 

João Costa Filho

 

 


publicado por jpcfilho às 13:35
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Outubro de 2010

Amor animal


La passion
                        “La passion”  de Mathias Waske


Se depender de mim,
nos despiremos de hipocrisias
e atravessaremos o mundo,
como xifópagos e
amando, despudoradamente,
por todas as metrópoles
e circunscrições.
E em nossas imoralidades
desfilaremos Kama Sutra,
Sade
e todos os malditos
da santa geometria
da gênese
e do amanhecer,
reverberando em inovações.
A cada dia, tempo
para nosso êxtase,
para a finalidade maior,
por isso, monumental.
O Guiness da indecência
é a meta!
Faremos amor
em praças públicas,
sem medo,
pois só os pecadores
nos condenarão,
só os excomungados
nos excomungarão.
Senão,
compraremos
alguma indulgência
e, a posteriori, ganharemos o reino
com a exibição circense
de nosso coito-show.
Cumpriríamos
essa missão divina,
extravagantemente,
para que nos comentassem
nos céus e nos infernos.
E todos os oceanos e
montanhas
ecoariam nosso erotismo,
essa imensa vontade de mostrar
o quanto te acho santa,
o puro animal que eu sou,
para mim
e para ti,
assim grudados
em nossas
universalidades.


De: João Costa Filho


 


publicado por jpcfilho às 05:15
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Julho de 2010

Interiores

A
'The sleep of reason produces monsters' de Francisco de Goya
    "The sleep of reason produces monsters"
                                     de Francisco de Goya



Sou uma procissão
de peregrinos do nada,
sem meta, sem Meca,
sem fé.
Caminhamos silenciosos,
tão silenciosos
que dá para ouvir os astros,
nossos (meus) olhos
fitos no abstrato,
vazios e alheios,
sem importar o caminho.
Penso:
tudo será o mesmo?
E ainda assim continuamos,
sem saber a força que empurra
todos os meus
átomos e células... zilhões...
E, para conter os impasses internos,
às vezes intransponíveis,
tento meditar, rezar,
me alhear mais,
mas algo tribal me contém,
por momentos,
e logo estou sem líder,
temo a revolta geral,
amotinamentos mais constantes...
Como controlar este estranho
que em mim habita?
E quando perder a razão
terei encontrado o caminho?


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 21:28
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Junho de 2010

A partida


'Remembrances' de Gerry Charm
                "Remembrances"  de Gerry Charm


Olhou seus pertences.
Com desânimo,
inventariou
algumas fotos antigas,
que diziam de amor,
algumas cartas
e bilhetes,
pálidos e amassados,
uma flor seca
em um livro velho,
e vultos,
muitos vultos.
Se alegres,
hoje, doridos.
Pegou cada coisa,
avaliou as perdas,
ouviu juras,
gritos de amor,
ouviu seu nome
dito docemente,
ouviu sons maravilhosos
e melancólicos,
por perdidos.
Saiu, bateu a porta
e, sem olhar para trás,
deixou essas perdas
com algumas lágrimas
e saiu carente,
à procura dos perdidos.
Precisava muito,
muito mesmo,

recomeçar...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 20:35
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.Ao som de:


.mais sobre mim

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.arquivos

. Maio 2012

. Abril 2012

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.Link em selo



.links

.pesquisar

 

.subscrever feeds