Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008

Buraco negro


'From Darkness to Light' de Jean Delville
“From Darkness to Light” de Jean Delville


Sou o fruto maior
do pecado
original?...
Sou a luxúria,
a lascívia, a líbido:
redivivas, reverberando.
Sou todos os vulcões,
terremotos, maremotos,
tsunamis,
que liquidificam meu sangue,
pulsando e explodindo,
implodindo,
em meus pulsos.
Me perco, me perdi,
em ti.
O que sinto é uma mensagem
divina?...
Infernal?...
Não sei.
Não quero saber.
Se cego, mudo, surdo,
fanático,
só rezo por ti...
És a plataforma suave
de meu corpo.
Catapultas
minhas incoerências
para o vazio
cósmico, de onde vim.
Sem ti,
não sou nada.
És o buraco negro,
o início ou o meio,
enfim...


De: João Costa Filho


 


publicado por jpcfilho às 14:04
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De cõllybry a 10 de Novembro de 2008 às 19:05
Aina bem que o pecado não existe, senão como seria!

Em momentos se pode ser tudo isso, Poeta

Doce beijo


De Secreta a 11 de Novembro de 2008 às 09:43
Todos nós temos um tudo... um principio e fim que não controlamos.
Beijito.


De ஜॐ♥ஜ___Estrelinh@___ஜॐ♥ஜ a 13 de Novembro de 2008 às 10:29
Amanhã o Estrelademim faz dois anos e tu fazes parte desses dois anos a comemorar, seria importante a tua presença lá...
http://estrelademim.blogs.sapo.pt.

beijito


De M.Luísa Adães a 15 de Novembro de 2008 às 13:09
jcpFilho

From darkness to light

És isso tudo que dizes e muito mais ... para além do que dizes! És o tudo e o Nada ... um conjunto de uma espécie de Uno ... a clamar, a gritar por Alguém!

Belo poema! Estás a fazer falta no meu blogs! Não te percas em Copacabana - a Princesa do mar!

beijos,

Maria Luísa


De Carla Granja a 17 de Novembro de 2008 às 10:51
olá ! como sempre maisum lindo momento de poesia que aqui deixas para quem te vem ler

hoje deixo um video feito por mim e cá espero por ti. uma boa semana
bjos,carla granja


De menina sonhadora a 18 de Novembro de 2008 às 21:01
Costuma-se dizer mais tarde que nunca nao é verdade?
:)
obrigada
bjs


De Eärwen Tulcakelumë a 19 de Novembro de 2008 às 01:41
O poeta sempre guarda dentro de si um emaranhado de sentimentos, que aos poucos vai externando nos poemas.
Agradeço tua estada em meu mundo.

Pérolas incandescentes de inspiração entrego em tuas mãos.

Eärwen


De Lu Rosario a 19 de Novembro de 2008 às 12:35
Quanta densidade e tensão diante de uma paixão tão intensa. Adoro o que vc escreve.
Sinto faltas de vim aqui e até mesmo do meu Sem Pudor..tenho postado menos por falta de tempo, mas o importante é que n abandonei este mundo maravilhoso meu e dos meus poetas.

Beijos.


De Maria a 20 de Novembro de 2008 às 14:09
Olá João espero que estejas bem.
E descobri a "rosa negra" a plantei e cuidei, porque era amor .
Lindo poema mesmo vindo e volteando na densidade do mito. Gostei muito Poeta.
Beijinhos e um sorriso
Maria


Comentar post

.Ao som de:


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.Link em selo



.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds