Sábado, 30 de Junho de 2007

Um amor simples


'Romantic stroll' de Brent Heighton
                          “Romantic stroll”  de Brent Heighton


Desisti do eterno.
Também não falarei mais
do infinito
ou de paraíso,
pois distantes.
Agora, cuidarei mais
do palpável, do simples
cotidiano
ou do jeito mais comum
de coabitar:
homem e mulher.
Então, quero um amor
singelo,
“comunzão”, mesmo,
e que, principalmente,
goste de mim,
de me beijar,
de me falar de mel
ou de flores
ou me diga coisas
do amanhecer...
Se sente à mesa comigo,
se deite na minha cama
e que sejamos cúmplices
nesse levar a vida.
E nossos horizontes
só digam belezas...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 21:35
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Bruxinhachellot a 1 de Julho de 2007 às 00:06
O eterno existe dentro do simples, do comum.
"Que seja eterno enquanto dure." (Vinicius de Moraes)

Beijos de Sol e de Lua.


De jpcfilho a 3 de Julho de 2007 às 09:24
Olá Bruxinha, é isso mesmo, nas coisas mais simples, estão o necessário...Beijos de Sol e Lua.


De Henrique Mendes a 1 de Julho de 2007 às 21:58
Talvez seja uma postura ingénua, mas acredito que há um momento em que já usámos todas as nossas palavras, em todas as suas composições possíveis.
E tudo o mais que procurarmos inventar com elas, sairá do que nos é espontâneo, do que é esperável de nós, da nossa normalidade. Ultrapassará aquelas quatrocentas palavras com que somos capazes de levar o nosso quotidiano...
Então, ansiamos por novos valores e sentimentos, que nos mantenham dentro do que, simplesmente, somos.
E esse anseio, normalmente traduz-se numa contração de métodos, numa simplificação de formas e de expressões.
Nas palavras que daí nascem, colhem-se novos pesos, e uma magia muito especial feita de novos brilhos.
Só palavras dessas são acapazes de produzir poemas como este. Especiais.
Está prestada, a minha homenagem !


De jpcfilho a 3 de Julho de 2007 às 09:26
Grande Henrique, é essa a verdade, as coisas simples e as poucas palavras, dizem muito mais e melhor que trocentas prolixidades... Grande abraço.


Comentar post

.Ao som de:


.mais sobre mim

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.arquivos

. Maio 2012

. Abril 2012

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.Link em selo



.links

.pesquisar

 

.subscrever feeds