Segunda-feira, 9 de Junho de 2008

O jardim do Éden


'The dark garden' de Yves Tanguy
                             “The dark garden”  de Yves Tanguy


Em um pátio, assim,
vi a estátua Virgem
estuprada pelo tempo,
a tempestade vândala,
a lama e o limo.
Vi adagas rubras
assassinando cristãos de pedra.
Vi anjos de mármore
praticando orgias banais
e múltiplos cordeiros
desfigurados no altar...
Cercado de crucifixos,
esse pátio de arte
encarcerava muitos homens
despedaçados e sem alma...
Mulheres desesperadas
com seus bebês de bronze
mutilados...
Mães aleitadas alimentavam
mil serpentes de areia e vidro.
Era uma tarde cinzenta,
nesse lugar de desencanto,
onde corvos desafinados
cantavam à escuridão.
Dizem: “os jardins suspensos”,
o “Éden”
feito pelo grande Poeta,
onde, agora, as criaturas
bebiam sangue e sujavam punhais,
constantemente,
em corpos de pedra,
bronze e mármore...


De: João Costa Filho


 


publicado por jpcfilho às 14:03
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De Lu Rosario a 10 de Junho de 2008 às 21:53
E ste Éden é o oposto do que conhecemos até então.. ele é marcado pelo pecado e pela frieza de espírito.

Onde andas libertino?!

Beijos.


De ana poeta. a 10 de Junho de 2008 às 22:09
J.C.Filho.

Um cenário surreal, sua poesia sempre nos faz refletir sobre o que os olhos não conseguem enxergar, e isso faz a diferença nesse mundo que às vezes tratam os acontecimentos de uma forma tão banal.

Beijos Poéticos.
;***


De Cadinho RoCo a 11 de Junho de 2008 às 13:20
Que imagens maravilhosas a denunciarem surrealismo fantástico em mistura de delírio e sonho.
Cadinho RoCo


De Eärwen Tulcakelumë a 11 de Junho de 2008 às 21:32
Um poema forte, que retrata uma possivel realidade que com certeza não gostariamos de vislumbrar...mas que com certeza nos faz pensar como agir ...

Pérolas incandescentes de carinho amigo, banhada no rio de lava do meu mundo.

Eärwen


De Secreta a 12 de Junho de 2008 às 09:40
O Éden e o seu lado mais escuro...
Beijito.


De TiBéu ( Isa) a 13 de Junho de 2008 às 00:28
Para mim este poema é triste, bom fim de semana bj


De efeneto a 13 de Junho de 2008 às 20:23
Afundei-me no por do sol
quando o disco vermelho
se enterrou no horizonte.
Mergulhei com ele a lua não me viu chorar.
Meu corpo petrificou-se
e uma funesta janela se abriu
no majestoso pulsar da terra.
Quando os teares do vento se acalmaram
e a luz da alma voltou
esfreguei os olhos e renasci diferente.

Encontrei finalmente a voz,
as palavras que me faltavam
e comigo carreguei as quatro estações.

A saudade é filha do mundo
que agora viaja cansada
nos tempos dentro de mim.
Sempre que chegar sem avisar
e quiser ocultar-me a luz
vou pisá-la de pés nus.


Desta maneira me penitencio pela ausência mas fica a promessa de um regresso em breve. Até lá e porque a amizade não tem ausência desejo um óptimo fim-de-semana na companhia de quem mais desejar.


De Estrelinha a 13 de Junho de 2008 às 22:54
um mundo de pedra,
uma vida de perda,
um post cruel e frio , mas na sua mais verdadeira realidade...

tem um optimo fim de semana ,beijinho terno e doce querido


De paulovilmar a 14 de Junho de 2008 às 03:11
João!
Por certo nos perdemos, entre bronze e realidade...
Bom fim de semana.
Abraços


De Jofre Alves a 14 de Junho de 2008 às 12:35
Um grande poema cheio de intensidade poética e energia vital e imagens estéticas muito fortes. Um prazer passar e apreciar o seu blogue, de grande valia. Boa semana com tudo de bom.


Comentar post

.Ao som de:


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.Link em selo



.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds