Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Versos não ditos


'The Muse at sunrise' de Alphonse Osbert
                                           “The Muse at sunrise” de Alphonse Osbert


Muitos versos não foram ditos
àquela musa de outrora,
alguns, esquecidos
e outros tantos, esquisitos.
Alguns pedem retoques,
outros, rimas e toques,
para dizer e tocar nela
com versos e reversos.
Quero ser o que for,
para ser preciso no que preciso.
Quero estar
e nem sei como me anunciar.
Quero, em letreiros imprecisos
e luminescentes, mostrar
meu rosto e o resto
e as trovas que sobram
nesse meu desassossego
de querer aquele outono de volta,
algumas palavras esquecidas,
outras perenes
e as lembranças
inapagáveis...


De: João Costa Filho


 


publicado por jpcfilho às 06:11
link do post | comentar | favorito
|
10 comentários:
De Pólvora a 16 de Maio de 2008 às 11:24
Existem sempre coisas que não dizemos, pelo menos aos outros porque nós próprios as ouvimos constantemente e, se não dizemos esquecemos...e há coisas que são bonitas de ser ditas mesmo que assim não pensemos. Bonito poema.

Bjs


De efeneto a 16 de Maio de 2008 às 15:29
Perdi-me em mim
Onde sempre me procurei
Entre palavras e sentidos
Onde sempre me demorei
Entre versos feitos de cetim

Perdi-me em mim
No onde e no entre assim
No princípio, meio e fim
Perdi-me em mim...

Apenas me achei para lhe desejar
Bom fim-de-semana
Na companhia de quem ama...


De ana poeta. a 16 de Maio de 2008 às 17:46
J.C.Filho.

Bom fim de semana.


Beijos Poéticos.
;***


De branca a 16 de Maio de 2008 às 18:04
Todos os dias deixamos alguns versos por dizer,
todos os dias nos recordamos daqueles que queriamos ter dito e que não o fizemos...
Mas lembramo-nos daqueles que dissemos também...
A nostalgia acompanhamos diariamente, acho eu...

Bom fim-de-semana!
Beijinhos :)


De Pólvora a 16 de Maio de 2008 às 18:33
Passo para desejar um Bom fim de semana também. Obrigado pelo comentário.

Bjs


De Eärwen Tulcakelumë a 17 de Maio de 2008 às 18:49
Quantas vezes nesta vida, meu amigo, nos deixamos calar... porém eu sempre digo que temos conosco um presente do Criador que é a escrita que nos permite simplesmente dizer...

Carinho amigo estão nas pérolas incandescentes que aqui deixo.

Eärwen


De Jofre Alves a 17 de Maio de 2008 às 19:59
Por aqui a musa inspiradora não tem limite, felizmente para nós, teus leitores, sempre de fina sensibilidade e grande qualidade poética, que muito nos dizem. Um gosto lê-los, um prazer apreciá-los. Boa semana com tudo de bom.


De Lu Rosario a 18 de Maio de 2008 às 02:31
Mantem-se saudosista, romantico e um bom versejador.. beijos.. saudades demais d'oce meu beijinho de coco.


De Eärwen Tulcakelumë a 18 de Maio de 2008 às 14:13
Agradeço as palavras carinhosas deixadas em meu mundo. Estás incluído ali também ...
Pergunto se posso ter teu e-mail....
Deixo aqui um convite para que visite um espaço, que acredito irás gostar, mais uma partilha com o amigo Efeneto ,
http://projectoamizade.blogspot.com/

Um carinho amigo deixo nas pérolas incandescentes para ti.

Eärwen


De ana poeta. a 18 de Maio de 2008 às 15:19
J.C.Filho.

Voltei pra (re)ler teus versos, q diga-se: estão ímpares. E como não poderia faltar, deixo o som inaudível de meus APLAUSOS.

Beijos Poéticos.
;**


Comentar post

.Ao som de:


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.Link em selo



.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds