Sexta-feira, 30 de Junho de 2006

A passagem


'Grey and Gold' de John Cox
                                                      “Grey and Gold”  de John Cox


Tem uma passagem
no fim daquela rua.
Tem uma passagem
que conta contos
e fala de redenção,
de mudanças e alvíssaras,
de deixar para trás
os guardados insolúveis,
de sacar as roupas
manchadas
de passados,
dos mapas do caminho,
de lonjuras sem fim.
Vou ali, também.
No fim daquela rua,
vou atirar o ontem,
o hoje, o nunca.
No fim daquela rua,
tem uma passagem
que não compreendo.
Dali, não sei nada
nem de mim,
por isso, vou até ao fim
daquela rua,
mas nem sei porquê...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 20:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Junho de 2006

Dificuldades, ainda, mas...


... impõe-se um esclarecimento - Os problemas que me impedem de fazer as actualizações como sempre fiz (poema e imagem ilustrativa) não têm origem no Sapo (que me prestou o apoio possível),  mas, sim, na conexão à internet (NetCabo), ou seja, pago um serviço que me impede de aceder a algo que é gratuito. Como não sou masoquista, isto só pode ser visto como uma bela piada.
Espero, daqui a duas semanas, voltar a usufruir de tudo aquilo a que tenho direito. Confiemos!
Até lá, outro abraço...


publicado por jpcfilho às 23:37
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Terça-feira, 13 de Junho de 2006

Dificuldades...

 

Desde ontem, 2ª feira, que não tem sido possível actualizar o blogue nas condições que eram habituais. Já informei os serviços do Sapo. Aguardo resolução.

Até lá, um abraço...


publicado por jpcfilho às 22:44
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 12 de Junho de 2006

Um dia assim


'Aphrodite and Eros' de Henri Camille Danger
                                  “Aphrodite and Eros”  de Henri Camille Danger


Hoje é dia dos namorados
e eu tô nem aí,
para a data de Hermes ou Mercúrio...
Tô nem aí, para esse comércio
enorme...
Nem para os brincos
e perfumes já
saturados...
Né esquecimento, não.
Né desapreço, não.
É que hoje me identifico mais
com Vênus ou Afrodite,
se hoje é o dia do
AMOR...


De: João Costa Filho




publicado por jpcfilho às 21:01
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 11 de Junho de 2006

Do fundo do baú (48)


'Amour' de Claude Theberge
                              "Amour"  de Claude Theberge


Quase ontem... *

Tudo bem.
Façamos de nossas
carências o grande mote
e distâncias encurtemos
na volta ao passado
e quimeras,
nossos antigamentes,
quando moços um dia...
Estás solita,
e eu tão sozinho
e nos agarramos
aos naufrágios de ontem,
quando, de verdade,
revirávamos o amor, o desamor,
o sexo, o amplexo,
com tanta competência,
que hoje rio
dos novos folhetins.
Aí, menina, fomos os maiorais!
Tanto amor, tanta dor...
E nem por isso
foi menor...
Foi físico,
foi literário,
veio das almas,
como as assombrações
necessárias
aos grandes amantes...


De: João Costa Filho

* 1.ª publicação – 11 de Novembro de 2005



publicado por jpcfilho às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 10 de Junho de 2006

Do fundo do baú (47)


'Solitude' de Escha Van Den Bogerd
                                           "Solitude"  de Escha Van Den Bogerd


ADEUS, AMIGO *

A prece separou-se do vento
e lírios brancos são arrancados,
para mortalhas de brisas de ontem
e prenúncio de calmaria eterna.
Ontem, tudo vida.
Hoje, tudo nada.
O caos ficou na lacuna,
onde só tua presença preencheria,
mas partiste para o vácuo infinito
e um vazio tu deixaste.
Adeus, Amigo,
e que lá, para onde tu fores,
a terra te seja leve,
os anjos te joguem flores,
e sejas feliz no abstrato...


Homenagem ao meu Amigo Armando Segadilha Filho


De: João Costa Filho

* 1.ª publicação – 10 de Novembro de 2005



publicado por jpcfilho às 21:05
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Junho de 2006

Do fundo do baú (46)


'The old lady' de Bernard Safran
            "The old lady" de Bernard Safran


Minha vizinha *

Em frente a minha casa,
mora uma velha senhora,
de olhar cansado,
de corpo cansado,
de conversa cansada,
divagando sobre o amanhã,
de planos futuros,
futuras viagens...
A passear no tempo,
sem bússola,
sem calendário...
E, com o olhar oblongo,
ela sempre planeja o futuro...
Às vezes, noto em seu rosto
o enorme apego dos sobreviventes
e, em seu triste andar,
uma grande vontade de ir longe...
Então, penso em nosso futuro,
meu e de dona Zelda
(esse é o nome dela...),
mas, do futuro,
nada sei...


De: João Costa Filho

* 1.ª publicação – 9 de Novembro de 2005



publicado por jpcfilho às 21:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Junho de 2006

Do fundo do baú (45)


'Checkmate' de William Whitehurst
                                     "Checkmate"  de William Whitehurst


Poema do Adeus *

(Pelas nuvens)

Andando sempre o palerma
abstrato às coisas terrenas,
pensando no adeus,
em falenas,
pisava nas nuvens,
o esteta.
Nada via ou escutava
deste mundo de meu Deus,
a não ser a voz da amada
que o tornara,
entre outras coisas,
um ateu,
pois só a ela endeusava.
O resto ficaria para depois...
E enquanto tais pensamentos
duravam
ele se tornara só,
mas a dois.


De: João Costa Filho

* 1.ª publicação – 6 de Novembro de 2005



publicado por jpcfilho às 21:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Junho de 2006

Do fundo do baú (44)


 'Confessions over champagne' de Juarez Machado
"Confessions over champagne" de Juarez Machado


Cinzento *

Passava um vento cinzento
e frio,
num dia cinzento
e frio,
e um homem cinzento
e frio,
em um bar quase vazio,
fumava e via
uma mulher
cinzenta
e fria.
Como nos filmes assim,
as almas desse bar
viverão, até ao fim,
ouvindo músicas
e risadas
cinzentas
e frias...


De: João Costa Filho

* 1.ª publicação – 5 de Novembro de 2005



publicado por jpcfilho às 21:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 6 de Junho de 2006

Do fundo do baú (43)


'The tree of life' de Gustav Klimt
       "The tree of life"  de Gustav Klimt

Aos catadores *

Como explicar às pedras partidas
das metáforas da vida
veloz, sônica,
sem volta,
as prendas guardar,
as perdas somar
no féretro definitivo,
fugaz,
definito, mas fugaz,
que nada
vai além
do nada?...
Comecemos de novo...


De: João Costa Filho

* 1.ª publicação – 4 de Novembro de 2005



publicado por jpcfilho às 21:22
link do post | comentar | favorito
|

.Ao som de:


.mais sobre mim

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.arquivos

. Maio 2012

. Abril 2012

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.Link em selo



.links

.pesquisar

 

.subscrever feeds