Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2006

Versos rasgados


'Still life with book, papers and inkwell' de François Bonvin
                        “Still life with book, papers and inkwell”  de François Bonvin


Vou rasgar todos os versos!
Os versos que escrevi,
porque não tinha
o que dizer.
Vou rasgar aqueles versos
que fiz, porque sentia muita saudade
e, hoje, tenho mais saudade.
Vou rasgar os versos
que pensava falarem lá de dentro,
que pensava seduzirem-me,
que achava me distraírem
de coisas mais sérias
que estes versos,
como esta espada imensa
que me atravessa o peito
e que carrego, gelada.
Coisas mais sérias,
como o grito dos famintos
e a dor dos suicidas.
São muitas as espadas geladas,
por isso escrevi muitos versos
de agonia.
Mas de nada adiantou,
nada floresceu,
nada vingou,
nem esses versos rasgados.
Que os carregue o vento...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 21:11
link do post | comentar | favorito
9 comentários:
De Lu Rosario a 22 de Dezembro de 2006 às 21:36
Nenhum verso deve ser rasgado
Eles registram nossos momentos...

Lindo poema...sempre inspirado vc hein?

Este seu comentário foi engraçado...não sabia que o velhinho era assim não... não vou mais acreditar em papai noel...hehehe

Beijos...e um bom dia de Natal.


De jpcfilho a 23 de Dezembro de 2006 às 06:37
Olá Lu, vc não acha que já estava na hora de num ir nessa onda? e todo cuidado é pouco. Um maravilhoso Natal...beijos


Comentar post

.Ao som de:


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.Link em selo



.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds