Segunda-feira, 2 de Abril de 2007

De amor


'Le bonheur de vivre' de Henri Matisse
                                            “Le bonheur de vivre”  de Henri Matisse


O verdadeiro amor
pode começar e acabar,
antes do pôr do sol.
Não precisa de eternidade.
Que seja, apenas, infinito
o necessário, indelével.
Pode acabar na mesma
musica em que começou
ou diante do
mesmo cisne,
onde nada se tisne,
ou durante um drinque.
O eterno é o retrato
que do amor ficará.
Dele herdará as fantasias
luminosas e radiantes
de infinitas tragédias
inerentes ao amor,
ao sofrimento, ao gozo:
ingredientes necessários
aos receituários
que se eternizam,
às palavras bem ditas,
às químicas epidérmicas
que desvelam ânsias
e vontade ímpar
da posse, do invadir,
do unificar, em pujanças,
momentos de vida,
do amor,
enquanto dure...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 21:33
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Secreta a 3 de Abril de 2007 às 09:10
"Que o Amor seja eterno , enquanto dure".
Mais um belissimo poema :)
Beijito.


De jpcfilho a 3 de Abril de 2007 às 23:27
Olá Secreta, é isso aí, enquanto dure, e mais um pouco...beijos.


Comentar post

.Ao som de:


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.Link em selo



.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds