Quinta-feira, 5 de Abril de 2007

Teu respirar


'Lancelot and Guinevere' de Donato Giancola
          “Lancelot and Guinevere”  de Donato Giancola


Comovo-me quando respiras
e, sempre devoto,
dou graças
à graça de estares aqui.
Tu respiras, eu vivo.
Tu aspiras, eu soçobro.
Tudo em mim
segue teus batimentos:
pulsas, pulso eu.
Assustam-me teus abatimentos.
Aí, batido, me abato,
sou tua seqüência,
respirar, pulsar
- música em mim -
que vêm
de teu delicado respirar
e, obediente, transpiro.
E nesse doce embalo
acompanho-te,
companheira...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 22:31
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Sílvia a 6 de Abril de 2007 às 14:21
"Comovo-me quando respiras". É deveras impressionate esta frase. Ela sintetiza tudo o que é o amor.


De jpcfilho a 6 de Abril de 2007 às 22:36
Olá Silvia, no amor é isso aí, é olhar e vigiar e comover-se com uma simples qualquer coisa...beijos


De Maria a 6 de Abril de 2007 às 16:00
Olá joão,meu amigo poeta.
Hoje vim só desejar-te uma Pascoa Feliz, que o amor seja a energia que nos constroi sempre.
Beijinhos e um sorriso :))
Maria


De jpcfilho a 6 de Abril de 2007 às 22:37
Olá Maria, obrigado, e uma linda e Feliz Páscoa para vc tb...beijos


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds