Sábado, 28 de Abril de 2007

Muitas noites...


'The reverie' de Sir Frank Dicksee
                                     “The reverie”  de Sir Frank Dicksee


Já eram muitas noites
e ele continuava, ali, parado,
pensando em tempos sem glória,
sem metas, sem fé.
Nada construiu ou possuiu.
Nunca teve amigos,
parentes ou um amor.
Vida insípida, essa,
para se viver!...
De anseios contraditórios,
pensava grande,
filosofava profundamente,
teorizava o futuro
de uma grande paixão.
Tanta quanto seus sonhos
desvairados suportassem.
E ousara dizer à Tereza
de seu projeto de amor.
Ela riu e riu um bocado...
E ele ainda estava, ali, parado,
petrificado em tempos perdidos
de coisas inexistentes.
Que vida, essa,
que nem dá gosto!...
Parado, ali, pensava.
Lembrar-se-ia, dele,
a Tereza
ou ainda estaria rindo?...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 21:04
link do post | favorito
De borboleta verde a 28 de Abril de 2007 às 21:21
olá, p\ vc deve ser uma grande surpresa emcontrar o meu comentário aqui.
Estava eu fazendo uma pesquisa com as palavras "eros e tanato" e acabei encontrando o seu blog.
Gostei muito desse seu poema e gostaria de manifestar a admiração que me invadiu ao ler sua obra.
Espero que não haja objeção da sua parte caso eu queira guardar esse poema comigo, não vou publicá-lo, nem muito menos assumir sua autoria.
Desde já agradeço o momento de deleite que me proporcionou e que proporcionará toda a vez que meus olhos tocarem sua escrita.Espero que não se importe se, por acaso, eu me tornar frequente no seu blog.
Borboleta Verde


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds