Terça-feira, 9 de Maio de 2006

Minha Deusa


'La sieste' de Delphin Enjolras
                                                “La sieste”  de Delphin Enjolras


Sempre que reflito
em minhas transformações,
odeio-me,
odeio-te, profundamente,
odeio tudo,
pelas humilhações
a mim impostas
pelos teus descasos...
Enfim,
por me tratares como um nada,
como um lixo qualquer.
Tens-me pisado
e ofendido de todas as formas,
fazendo de mim
um sub-homem.
Eu, que fui respeitável,
circunspeto,
em minhas decisões
e no trato humano,
tornei-me um nada
de pouca valia.
Depois de atravessar
a porta de teu quarto,
sinto o chão de tua cama
oferecer-me o paraíso,
mas, quando
começas a desnudar-te
e a mostrar, com despudorada malícia,
as nuances de tuas ancas,
de teus seios e sexo,
intumescidos de luxúria
e de pecado e lascívia,
torno-me teu escravo,
escravo do desejo mais cruel.
Transfiguro-me, sem nenhum pudor,
afundo-me no centro de ti,
atiro-me às chamas dantescas
de tuas entranhas.
Depois, ajoelho e rezo,
como se fosses minha
Deusa...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 20:46
link do post | comentar | favorito

.Ao som de:


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.Link em selo



.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds