Sexta-feira, 19 de Maio de 2006

Do fundo do baú (32)


'The sleep of reason produces monsters' de Francisco de Goya
   "The sleep of reason produces monsters"
                                de Francisco de Goya



Interiores *

Sou uma procissão
de peregrinos do nada,
sem meta, sem Meca,
sem fé.
Caminhamos silenciosos,
tão silenciosos
que dá para ouvir os astros,
nossos (meus) olhos
fitos no abstrato,
vazios e alheios,
sem importar o caminho.
Penso:
tudo será o mesmo?
E ainda assim continuamos,
sem saber a força que empurra
todos os meus
átomos e células... zilhões...
E, para conter os impasses internos,
às vezes intransponíveis,
tento meditar, rezar,
me alhear mais,
mas algo tribal me contém,
por momentos,
e logo estou sem líder,
temo a revolta geral,
amotinamentos mais constantes...
Como controlar este estranho
que em mim habita?
E quando perder a razão
terei encontrado o caminho?


De: João Costa Filho

* 1.ª publicação – 25 de Dezembro de 2005



publicado por jpcfilho às 20:48
link do post | favorito
De Sandy a 22 de Maio de 2006 às 00:41
Uma dupla personalidade - peregrinos e o "eu". Talvez se distanciem um do outro como a voz do narrador e a paisagem observada. Talvez se unem para formar um ser que perdeu a razão, mas que pensa tê-la ainda. Encontrar o caminho seria, então, voltar ao racional, recuperar a razão.
Gostei bastante deste texto porque me lembra F.Pessoa - "Vivem em nós inúmeros". Gostei. :-)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds