Sexta-feira, 28 de Julho de 2006

Aquela porta


'Contemplation' de Villalba
                        “Contemplation”  de Villalba


Aquela porta
que, calada, assistia
muitas de nossas brigas
e, impávida, emudecia,
quando nela batias
e por ela saías,
como um trem de ferro
ou miúra de narinas
resfolegantes
e, depois, voltavas ou
se arrependia,
se, com cuidado, a abrias
e entravas, solenemente,
para renovadas temporadas
de amor, carinhos, perdões,
juras, perjúrios,
carinhos mil, promessas
mil e renovadas promessas...
De tudo participava,
apenas, inerte
ou, das pancadas que recebia,
quando muito, rangia,
pois como eu
abria meu coração
ela também abria,
a cada volta, a cada agonia...
Hoje, fico ali a olhar,
a escutar
a porta, pelo menos, reclamar
e que adentres
cheia de euforia,
sem a porta machucar,
para mais um
recomeço de mim...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 22:38
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.


.Ao som de:


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.Link em selo



.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds