Segunda-feira, 16 de Outubro de 2006

As palavras


'Still life with atributes of the Arts' de Jean-Baptiste Simeon Chardin
                  "Still life with atributes of the Arts"  de Jean-Baptiste Simeon Chardin


As palavras são
o sal de minha alma,
o meu sustento externo
e de onde tiro tudo
de que preciso,
para meu deleite.
Soubesse eu melhor
usá-las ou cavalgá-las,
pouco me faltaria
para dizer-te
coisas amáveis
e outras esquecidas.
Dizê-las com pujança,
com amor,
com laivos de tristeza
ou bonomia,
a misturar nossos mundos
aos verbos e sintaxes,
solecismos, adjetivos
e teus predicados,
que me seduzem,
que me enternecem,
sempre que estás
e quando não estás...
Necessito domá-las, decodificá-las,
extrair sua essência maior,
sufragá-las em mim
e fazer-te um verso...


De: João Costa Filho



publicado por jpcfilho às 21:02
link do post | comentar | favorito
8 comentários:
De Zalinha a 16 de Outubro de 2006 às 21:12
Eu diria que as palavras de onde tiras tudo te são tiradas do coração,tendo em conta a sua beleza;) Bjs e boa semana:)


De jpcfilho a 16 de Outubro de 2006 às 23:21
Olá Zalinha, é isso aí, e com as palavras, vamos inté Deus dará...beijos


De Lu Rosario a 17 de Outubro de 2006 às 15:57
Que lindo... mas não tinha como ser diferente não é? Este amor pelas palavras está claro em cada poema que escreve...porque vc os têm em quantidade e qualidade.

Beijão!


De jpcfilho a 18 de Outubro de 2006 às 08:53
Olá Lu, pois num é que as palavras removem montanhas, constroem e destroem mundos e amores... Palavras danadas essas...beijos


De Pequenita - Quando o Teu Corpo e o Meu.. a 17 de Outubro de 2006 às 18:19
"A tua beleza submerge-me, submerge o mais fundo de mim. E quando a tua beleza me queima, dissolvo-me como nunca, perante um homem,me dissolvera. De entre os homens eu era diferente, era eu própria, mas em ti vejo parte de mim que és tu. Sinto-te em mim. Sinto a minha própria voz tornar-se mais grave como se te tivesse bebido, como se cada parcela da nossa semelhança estivesse soldada pelo fogo e a fissura não fosse detectável"
Anaïs Nin
bacis by pequenita


De jpcfilho a 18 de Outubro de 2006 às 08:55
Grande Pequenita, muito obrigado, adorei esse poema, aliás, esse aí é um poema mesmo de verdade verdadeira. Gostei muito...beijos


De Silvia a 17 de Outubro de 2006 às 21:00
O nosso refúgio...o teu refúgio...acabamos por nos encontrar neste refúgio.
E qual é o nosso refúgio? As palavras...e sentidas cheias de emoção.

Um abraço feito por um cordão de palavras sentidas e amigáveis




De jpcfilho a 18 de Outubro de 2006 às 09:01
Silvia, é verdade, o poder das palavras são incríveis .. Do modo como pronuncias, a palavra que dizes, na hora que dizes... É incrível, em todas as áreas e de todas as formas, podem muito...beijos


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ficastes

. Quase ontem

. Denúncia

. ADEUS, AMIGO

. ...

. Bendito fruto

. ...

. Amor animal

. Interiores

. A partida

.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.subscrever feeds